Contos de Vampiros

Dessa vez eu resolvi fazer algo diferente dos meus usuais contos literarios. Resolvi escrever uma critica, a minha primeira, então, sejam gentis.

Desde que o mundo é mundo existe a mesma linda história: A garota (princesa) tem uma vidinha normal e feliz, até que algo acontece, geralmente uma Madrasta má, uma bruxa, uma maldição ou até mesmo um passeio na floresta, e a vidinha tosca e normal dela muda.

Não para melhor, entendam, a garota (princesa) fica aprisionada, distante, perdida, adormecida, até que o príncipe encantado (garoto) venha e a salve de todos os perigos com o beijo de amor verdadeiro e os dois vivem felizes para sempre.

O que as pessoas NÃO entendem, é o que essas histórias realmente querem dizer. A maioria das pessoas acha que são contos bonitinhos para fazer crianças dormirem e garotinhas sonharem. Mas, como sempre aliais, essas pessoas estão erradas.

Contos infantis surgiram por dois motivos: Sexo e Proteção. Sim, sexo. O motivo da garota adormecer, ficar presa, perdida na floresta, ou o que quer que seja, é simples : ela teve a menarca (pra quem não sabe é a 1ª menstruação) e agora está fisicamente madura, embora não esteja preparada mental e emocionalmente.

Então a garota se afasta, fica protegida dos perigos do mundo, ou seja, os homens grandes e malvados que querem fazer sexo. Na hora que a garotinha se transforma em mulher, ou melhor dizendo, após amadurecer e estar mental e emocionalmente amadurecida ela está pronta para fazer sexo. Eis que o príncipe encantado surge e beija-a com um beijo de amor verdadeiro, que é só um eufemismo para dizer que ela fez sexo com o cara que gosta dela.

Esse é outro lado que a história quer passar. O lado moralista. Só faça sexo com quem você ama e que te ama também. Isso tudo é lindo e muito bonito, principalmente para os pais que temem que suas garotinhas saíam pelo mundo a fora dando pra geral.

Historinhas para crianças a parte, temos agora nossos próprios e contemporâneos Contos de Fadas. Não acredita? Crepúsculo, a saga que dominou totalmente o âmbito de adolescentes e é febre no mundo inteiro, não é nada mais que o conto de fadas moderno. Dúvida?

Bella Swan era uma garota normal que vivia sua linda vidinha tosca e sem graça. Até que algo acontece. Edward Cullen, o vampiro, o macho tentador e sedutor do sexo, aparece em sua vida e toma conta de seus pensamentos. Muitos perigos começam a rondar a vida de Bella, e o Cullen está sempre a postos para salvá-la. Até que no final da história ambos fiquem juntos e felizes. Percebeu alguma semelhança?!

O único problema, que na verdade é a grande ironia da saga toda, é que Edward é o mostro e o príncipe da história. Ele é a grande tentação de Bella e ao mesmo tempo seu grande salvador. Gerando tamanha ambigüidade e confusão na pobre Bella que ela vê-se emocionalmente presa a ele. Precisa dele para que ele a salve, para que a mantenha em segurança. Ao mesmo tempo é posta em perigo por ele (incondicionalmente, é claro). E no final nos temos o nosso conto de fadas, ou melhor dizendo, conto de vampiros modernos.

Mas não satisfeita em reinventar  os contos de fadas, a escritora S. Meyer, genialmente atrela a história infantil ao sonho adolescente de toda garota vazia. Tornando uma história água-com-açúcar um verdadeiro fenômeno literário. Em termos é claro. Já que boa das pessoas que lêem e vêem Crepúsculo não tem base literária nenhuma para definir se uma história é boa ou não.

Enfim, pouquíssimos adolescentes realmente sabem o que querem, essa é a época mais confusa de nossas vidas, e por quê? Por que estamos começando a crescer, começando a nos descobrir verdadeiramente, em todos os campos. Tanto sexual, como intelectual, emocional e mental. É uma grande época de descobertas.

Acontece que a maioria tem medo, ou vergonha, de admitir que não sabe realmente do que gosta, e pior, tem vergonha e timidez de experimentar coisas novas, e por isso acaba assumindo estereótipos generalizados e superficiais.

A Meyer simplesmente captou isso, colocou no papel e vendeu. E é claro que deu certo. Um príncipe romântico, que faz tudo por você e é eterno. Que garota confusa e em processo de descoberta não iria gostar disso? É a solução simples, fácil e rápida para todos os problemas. Mas geralmente, não é a certa.

Não duvido que existam pelo mundo, mulher ultraromanticas que melhor fariam se tivessem nascido no século XVIII (18) ou XIX (19), que realmente gostem de toda essa melação. Mas realmente me frustra saber que algumas garotas que poderiam crescer e ser independentes e fortes acabem se apaixonando, idiotamente, por um tipo de homem que não existe e por um tipo de vida que só pode levar a duas coisas: tédio absoluto ou acomodação.

Já pensou como seria absurdamente chato se não houvesse discussão e brigas saudáveis? Se tudo fosse lindo e cor-de-rosa? Se tudo fosse constante e bom? Ou pior se fossemos acomodados? Satisfeitos com o que temos e nada mais? Felizes e confortáveis? Pode apostar que seria muito chato, e mais, pode apostar que você se tornaria no mínimo ignorante. Pessoas acomodadas e satisfeitas são buscam nada e caem no marasmo da burrice. 

O mundo é colorido. A vida é colorida, não só rosa, mas também roxa, verde, azul, amarela, preta, branca. Precisamos de cores, de sabores e de prazeres. Precisamos de tristeza, frustração, raiva, fúria, alegria, felicidade, dedicação, prazer, gozo, diversão, sarcasmo, ironia. Precisamos de inteligência, de analise, de altos e baixos. Não precisamos de romance e felicidade eternos. Precisamos de dificuldades e brigas. É só assim que o ser humano cresce e amadurece. Através das dificuldades. Agora se você quer ser feliz, acomodado e ignorante para o resto da sua vida, o problema não é meu!

Só pare e pense, analise e veja se vale realmente a pena, passar o resto da sua vida vivendo em um conto de fadas, ou vampiros.