Meia-noite

­

Um poema antigo que eu achei perdido no meio dos meus texto…

 

Meia noite chegou devagar

Eu saí pelas ruas, à procura da felicidade

Caminho sozinha pelas ruas escuras

As conheço tão bem;

Passo pelos lugares, e me lembro

as coisas que falamos, dos momentos que vivemos

Mas o tempo passou, e esses momentos agora são passado

Porque você foi e me deixou aqui?

 

Agora eu caminho sozinha por essas ruas escuras

Você não está mais ao meu lado

O que aconteceu?

Eu não me lembro direito

Foi tudo tão confuso

Tenho apenas vagas lembranças

Eu não me lembro direito, porque não conseguia enxergar

As lágrimas não me deixavam ver

 

O tempo passou

Nada ficou mais fácil

do que naquela noite tão confusa

as lembranças, os momentos, tudo pertence ao passado

mas queria que o passado fosse presente

e que as lagrimas me deixassem ver

quem sabe assim eu pudesse encontrar um caminho

de volta pra você

 

As lágrimas não me deixam ver

Através das ruas, sem Lua ou estrelas que me guiem

pelo caminho de volta pra você;

tudo está tão confuso,

como naquela noite.

 

Eu olho para o céu, vejo a Lua

tão linda e solitária;

Pediria a ela que me ajudasse

a voltar e a te encontrar

mas a Lua é solitária, e não solidária

Está só, e inveja aquelas que estão juntos

continuo então, perdida

Chamando por seu nome em vão

Mas o tempo passou, e você não voltou

 

Eu ainda ando por ai te procurando

Eu ainda peço a lua pra te fazer voltar

Eu ainda grito seu nome pra te fazer lembrar

Eu ainda não consigo ver por causa das lagrimas

Eu ainda estou no mesmo lugar, esperando

 

Sonho com o dia que voltará

Sonho sem realmente esperar

A meia noite chegou e se foi

A noite chega ao fim, como meu sonho

Eu vejo você voltar ao longe

Apenas me pergunto quão longe?

Anúncios